• Quando o poder público erra


    Danilo Angrimani


    O poder público não erra apenas quando permite que se construam escolas e casas residenciais em cima de montanhas de lixo. O poder público também erra, quando admite que um bairro estritamente residencial tenha sua paz deteriorada. É o caso do bairro Jardim, em Santo André.
    Quem mora nas proximidades da rua das Figueiras, cercanias das ruas Esmeraldas e Prestes Maia, está proibido de dormir nas noites de sexta e sábado. Os moradores têm o espaço sagrado de suas casas invadido por um barulho insuportável.
    A “voz rouca das ruas”, no caso do bairro Jardim, não é rouca, mas estridente. Origina-se de arruaceiros, motoristas e motoqueiros (em estado de excitação incontrolável), desocupados, malucos ocasionais, usuários de drogas. Todo esse agrupamento excêntrico produz um vozerio insuportável que vara as madrugadas.
    Os motoristas aceleram seus veículos. Buzinam. Estacionam em fila dupla. O trânsito para. De dentro dos carros, vem um ruído ensurdecedor, chamado apropriadamente de “pancadão”. Nas ruas, escutam-se palavrões, xingamentos, gente gritando, cantando. Os moradores pedem socorro às autoridades, que, nessa hora, felizmente, para sorte delas, estão surdas.
    Após visitar aquelas artérias congestionadas e coalhadas de bagunceiros, em Santo André, Dante Alighieri, se renascido fosse, colocaria a famosa placa que fica na porta do Inferno, com os dizeres conhecidos: “Lasciate ogni speranza, voi che entrate” (Perdei toda esperança, vós que entrais), bem ali na entrada do bairro Jardim.
    Em outras cidades do ABCD, a arruaça noturna causa problemas localizados. Em São Bernardo, concentra-se na avenida Kennedy. Em São Caetano, a vítima escolhida é a avenida Goiás.
    Igrejas também causam mal-estar. Pastores e fieis gritam, molestam instrumentos musicais e cantam a plenos pulmões em microfones eletrificados. Imaginam, talvez, que Deus seja surdo.
    A Associação dos Papagaios de Pirata do Brasil concedeu o prêmio Louro do Ano para o deputado estadual Orlando Morando (PSDB-SBC). Parabéns, deputado!